Definitivamente, o empresariado brasileiro enfrenta uma série de problemas ligados à gestão. Ao todo, aproximadamente 50% das empresas do país fecham as portas antes de completarem quatro anos em atividade, de acordo com o IBGE. Muitos especialistas acreditam que a causa para o problema é a falta de planejamento financeiro.

Para que a sua empresa não engrosse as estatísticas, é importante que você comece a levar a sério a sua gestão financeira. Para ajudá-lo, resolvemos trazer alguns dos erros mais comuns cometidos por empreendedores de PMEs que devem ser evitados para criar um negócio rentável em longo prazo. Confira logo a seguir!

1. Não separar as contas pessoais e empresariais

Muitos gestores usam a empresa como um verdadeiro caixa eletrônico, fazendo saques sempre que julgam necessário. Outros se sentem sensibilizados quando qualquer coisa falta na empresa, então retiram dinheiro do próprio bolso para fazer as aquisições. Ambas as atitudes são erros gravíssimos, que podem comprometer a correta avaliação da empresa.

A confusão patrimonial criada por essa situação pode virar um verdadeiro caos quando o gestor precisar de informações sobre o desempenho financeiro do negócio. Além disso, para alguns órgãos governamentais, como o próprio Fisco, esse tipo de cenário normalmente é interpretado como uma tentativa de sonegar impostos, o que pode causar problemas ainda mais sérios.

2. Não contar com o suporte da tecnologia

Outro erro bastante comum nas PMEs são os processos manuais em excesso. Além de levarem mais tempo para serem realizados, consomem muito mais recursos da empresa, o que definitivamente impacta diretamente no resultado financeiro do negócio. É muito importante contar com o suporte da tecnologia.

A automação pode fazer parte tanto do controle financeiro, por meio de softwares e sistemas apropriados, quanto para outras finalidades, como a gestão de entrega. Dessa forma, além de controlar efetivamente as finanças, o gestor consegue economizar recursos e destinar um foco muito maior para a sua atividade-fim.

Publicidade Zorte

3. Não detalhar os fluxos de caixa da empresa

Definitivamente o fluxo de caixa é uma das ferramentas mais importantes para as finanças, afinal, é por meio dela que podemos controlar todas as movimentações de despesas e receitas operacionais do negócio. Acontece que muitos gestores não fazem o uso correto, e acabam criando um verdadeiro caos no controle financeiro.

É fundamental dividir todas as contas em centros, tanto as despesas quanto as receitas. Entradas e saídas relacionadas ao marketing, por exemplo, precisam ser discriminadas com clareza para que, no futuro, o gestor possa delimitar o orçamento apropriado para o setor, além de acompanhar o ROI (Retorno Sobre o Investimento). Além disso, é só dessa forma que podemos descobrir onde cortar gastos.

4. Não realizar um planejamento tributário apropriado

O Brasil é um dos países onde há mais burocracia na hora de pagar impostos. Por isso, é muito importante que você desenvolva um bom planejamento tributário. Muitas das vezes, isenções podem ser perdidas simplesmente porque o gestor não acompanha as novidades do mercado. Além disso, o próprio modelo de tributação gera impactos significativos na hora de pagar os tributos.

Para melhorar a sua empresa nesse sentido, é muito importante contar com a ajuda de consultorias, que vão fazer uma avaliação precisa do seu tipo de negócio e oferecer as melhores soluções. Essa, sem dúvida, é uma grande dica para diminuir gastos e melhorar a gestão financeira.

Gostou das nossas dicas? Quais são as suas maiores dificuldades na hora de gerir as finanças? Deixe sua opinião nos comentários!

Comments

comments