• 20/04/2024

As empresas que desejam ter uma logística de transporte eficiente precisam tomar cuidado com a conservação dos seus veículos. Por conta disso, a manutenção preventiva, a preditiva e a corretiva são fundamentais para manter e gerenciar adequadamente sua frota, uma vez que isso influenciará diretamente no desempenho do negócio e no controle de custos.

Pensando nisso, preparamos este post para que você entenda a diferença desses tipos de manutenção e identifique em quais situações são aplicáveis em seu setor de transportes. Confira agora!

Manutenção preventiva

As manutenções são baseadas em substituir peças que acabaram se desgastando ou falhando com o tempo. Essa situação acarreta na inutilização do veículo, por exemplo, por causa de uma pane. Por isso, é importante que elas sejam corrigidas antes que o meio de transporte fique inutilizado.

O mais comum é a ocorrência de reparos feitos sem nenhum planejamento por parte da empresa, o que contribui para um desgaste físico e mental das pessoas envolvidas na área.

A manutenção preventiva é uma intervenção bem técnica, prevista e executada antes que as falhas aconteçam. Ela realiza um diagnóstico minucioso das condições em que se encontra o veículo, a fim de providenciar o que for possível para corrigi-las.

Tomar uma ação preventiva é muito melhor do que esperar que o pior aconteça, além de sair bem mais barato do que os reparos emergenciais. E o mais importante é que suas atividades logísticas não ficam suspensas.

No entanto, suas vantagens não são apenas essas. Vários acidentes ocorrem no dia a dia por causa de problemas relacionados à manutenção do veículo. Daí se vê o grau de importância dessa prática para o negócio e para terceiros que poderiam se envolver.

Manutenção preditiva

Quando comparamos a manutenção preditiva à preventiva, verificamos que aquela é ainda mais cautelosa que esta, porém ambas são eficientes nos resultados. Seu principal objetivo é manter um monitoramento constante de todas as condições mecânicas dos veículos presentes na frota.

Com base nesse tipo de intervenção, os responsáveis pelo setor de transporte da empresa conseguem antecipar qualquer problema, antes que ele atinja maiores proporções, por meio do uso de tecnologia e equipamentos. Podemos citar alguns utilizados, como:

  • câmeras termográficas;
  • testes de vibração;
  • ultrassom;
  • rastreadores;
  • inspeção visual.

Seu ponto negativo é a necessidade de investimentos na aquisição de equipamentos e treinamento das equipes. Já sua principal vantagem é poder reduzir custos com a manutenção corretiva, que será abordada a seguir.

Manutenção corretiva

A manutenção corretiva é bastante comum nas empresas, principalmente naquelas que não adotam estratégias de cuidados preventivos dos veículos.

Ela consiste em substituir ou consertar algum componente por causa de desgaste ou da quebra. Seus custos são mais elevados, quando comparados aos da manutenção preventiva, uma vez que é comum o veículo ter que ficar parado até que ocorra o reparo.

É preciso tomar cuidado com esse tipo de manutenção, pois, além de os custos serem maiores, dependendo do tamanho da frota, a situação pode, até mesmo, afetar todo o desempenho logístico do seu negócio.

No entanto, mesmo com a aplicação das outras manutenções, ela vai acabar sendo necessária em algum momento. O ideal é que ela seja apenas uma exceção para determinados casos e não uma regra.