• 21/05/2024

O cálculo do frete envolve uma série de variáveis, das quais nem todas são conhecidas pelos gestores de frotas, que estão acostumados a consultar apenas tabelas prontas, sem especificações minuciosas. Entre os valores considerados estão o frete-peso, frete-valor, pedágios e outras taxas, como o GRIS.

Você sabe o que significa GRIS? Leia este post e compreenda do que consiste essa tarifa utilizada para o cálculo de fretes de cargas.

GRIS é a sigla para Gerenciamento de Risco e Segurança.

Trata-se de uma porcentagem adicionada à nota fiscal, cuja finalidade é cobrir os custos resultantes de medidas preventivas no combate ao roubo de cargas, sem levar em conta a distância percorrida.

O que é GRIS?

Para compreender o significado de GRIS no transporte, é necessário, primeiramente, entender que se trata de uma sigla que representa o Gerenciamento de Risco. Essa taxa é incluída no valor do frete com o propósito de cobrir os custos associados às medidas de segurança adotadas para evitar o roubo de cargas, que alcançaram a marca de 18 mil ocorrências no Brasil em 2019, de acordo com o Relatório anual da NTC.

O GRIS é cobrado em cargas de alto valor agregado, nas quais há um real risco de roubo, tais como eletrônicos, eletrodomésticos, medicamentos e alimentos. Quanto mais valiosa e facilmente transportável for a mercadoria, como é o caso de joias e celulares, maior será o valor da taxa.

De igual modo, existem situações em que o GRIS não é cobrado, especificamente quando se trata de cargas que não despertam o interesse dos criminosos, como areia e pedra, por exemplo.

O valor arrecadado é utilizado para custear medidas como seguro da carga, sistemas de rastreamento de veículos, instalação de alarmes e travas, contratação de profissionais especializados (incluindo encargos trabalhistas), bem como bloqueadores veiculares, entre outros dispositivos voltados para inibir a ação dos assaltantes.

Importante destacar que os valores recolhidos por meio do GRIS não abrangem os custos relacionados a outros tipos de medidas de segurança, além das mencionadas anteriormente, como escoltas e utilização de veículos blindados.

Qual é a relação entre GRIS e ad valorem?

Também conhecido como “frete valor”, o ad valorem é uma taxa adicional destinada a prevenir possíveis prejuízos do transportador, como perdas, avarias e extravios.

Os valores arrecadados são investidos em medidas preventivas, tais como seguro da carga, materiais para proteção das mercadorias (como cantoneiras e embalagens especiais), mão de obra especializada e gerenciamento da documentação relacionada à segurança.

A relação entre o GRIS e o ad valorem é bastante simples: o primeiro tem foco específico na prevenção de roubos e é um dos componentes do segundo, que possui uma abrangência mais ampla no que diz respeito à segurança.

O ad valorem é cobrado porque o transportador é o responsável pela mercadoria ao longo de todo o processo de entrega, desde a coleta até a sua conclusão, e quaisquer perdas ou danos devem ser cobertos por ele. Dessa forma, os valores obtidos por meio dessa taxa são destinados a cobrir esses possíveis prejuízos.

Qual é a metodologia utilizada para o cálculo do GRIS e do ad valorem?

Após compreender o significado de GRIS e ad valorem, é importante entender como ambos são calculados.

Inicialmente, é necessário levar em consideração algumas variáveis ao calcular essas duas taxas, tais como:

  • Se a rota atravessa uma área de risco ou de difícil acesso;
  • Valor agregado das mercadorias;
  • Se o item é frágil e requer manuseio cuidadoso, aumentando o risco de danos;
  • Peso do produto, onde quanto mais leve e suscetível ao roubo, maior será a taxa;
  • Se as mercadorias possuem identificação em lote, facilitando a sua localização em caso de perda ou roubo.

A fim de facilitar os cálculos, a Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística desenvolveu uma tabela referencial de custos de transporte de cargas, contendo sugestões de alíquotas para GRIS e ad valorem.

Nessa tabela, foi estabelecida uma alíquota média inicial, variando entre 0,3% e 0,4% sobre o valor da nota fiscal para o ad valorem, e de 0,3% para o GRIS, com um mínimo de 3 reais por cada Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e).

Portanto, considerando uma mercadoria com um valor total de R$ 5.000,00 e uma alíquota de 0,3% para ambas as taxas, os valores seriam os seguintes:

  • Ad valorem: R$ 5.000,00 x 0,3% = R$ 15,00
  • GRIS: R$ 5.000,00 x 0,3% = R$ 15,00

Quando a mercadoria apresenta risco de perda e roubo, a NTC recomenda a cobrança de ambas as taxas. Assim, no exemplo mencionado, o valor total seria de R$ 30,00.

Perceba como é fácil compreender o conceito de GRIS no CT-e e realizar o cálculo. A determinação da porcentagem ideal sobre a nota fiscal pode ser um pouco mais complexa devido às diversas variáveis envolvidas, porém, o processo em si é bastante simples.

Para facilitar a inclusão de taxas como GRIS e ad valorem no valor do frete, muitas transportadoras utilizam softwares de gerenciamento que realizam o cálculo de forma automática, levando em consideração os padrões pré-definidos de acordo com as características da carga, rota e outros fatores.

O impacto do GRIS no cotidiano das empresas de transporte.

Para compreender o significado do GRIS no transporte, é fundamental entender o seu impacto na rotina das empresas que lidam com ele diariamente.

Por se tratar de uma taxa direcionada à segurança, é essencial que a transportadora desenvolva um planejamento adequado que permita a contratação de um serviço de seguro apropriado. A rota selecionada, os profissionais envolvidos no transporte e os dispositivos utilizados para garantir a proteção da carga são todos elementos que devem ser levados em consideração.

Como podemos observar, esses detalhes têm um impacto direto no valor do frete e, portanto, devem ser gerenciados com cuidado, de modo que a empresa possa se manter competitiva no mercado. É importante encontrar um equilíbrio entre um preço justo, segurança e qualidade, para atender às demandas dos clientes.

Algumas dicas para negociar o valor do GRIS

  • Conheça o mercado: Faça uma pesquisa detalhada sobre as taxas de GRIS praticadas pelas transportadoras no mercado. Isso ajudará você a ter uma base de comparação e a negociar de forma mais assertiva.
  • Avalie as necessidades da sua carga: Entenda o perfil da sua carga e se ela se enquadra em categorias de alto risco que exigem uma taxa de GRIS mais elevada. Se não houver essa necessidade, argumente com a transportadora para buscar uma taxa mais adequada.
  • Negocie em volume: Se você possui um alto volume de cargas para transportar, aproveite essa vantagem para negociar melhores condições de GRIS com as transportadoras. Elas podem estar dispostas a oferecer descontos ou tarifas especiais para ganhar o seu volume de negócios.
  • Considere contratos de longo prazo: Se você planeja ter uma parceria de longo prazo com uma transportadora, é possível negociar taxas de GRIS mais favoráveis. Demonstre o potencial de crescimento e a estabilidade da sua demanda, o que pode resultar em acordos mais vantajosos.
  • Busque por soluções personalizadas: Em vez de aceitar as taxas padrão de GRIS, discuta com a transportadora a possibilidade de personalizar a taxa de acordo com as características específicas da sua carga e da rota. Isso pode resultar em um valor mais justo e adequado para ambas as partes.
  • Esteja aberto à negociação: Demonstre interesse em negociar o valor do GRIS e esteja disposto a ouvir as propostas da transportadora. Mantenha uma postura colaborativa e busque um acordo que seja benéfico para ambas as partes.

Lembre-se de que a negociação é um processo dinâmico e que cada caso é único. Esteja preparado, seja assertivo e busque encontrar um equilíbrio entre o valor do GRIS e a segurança necessária para suas operações de transporte.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *